Qintess prevê tendências para a Black Friday

A Black Friday já é data institucionalizada no calendário do varejo brasileiro desde 2010. Assim como nos Estados Unidos, sempre acontece na sexta-feira seguinte ao Dia de Ação de Graças e, assim como lá, aqui também o varejo vem se preparando cada vez mais cedo para ter uma maior garantia de vendas com cada vez menos atritos. Com a imensa convergência para o digital que assistimos desde o início da pandemia, é imprescindível que haja um planejamento que evite perdas.

Para isso, a  Qintess, uma das dez maiores empresas brasileiras de tecnologia, criou pacotes de serviços que visam atender necessidades diversas nos mais diferentes ecossistemas de empresas de todos os portes, principalmente para aquelas que convergiram para o e-commerce recentemente, ou para aquelas que aumentaram suas capacidades, e que agora estão diante de desafios como melhorar a experiência de compra de seus clientes. Como forma de auxiliar essa jornada na semana mais importante do varejo, a Qintess criou um CheckList Definitivo da BlackFriday, gratuito, que pode ser acessado aqui: https://br.qintess.com/black-friday-qintess .

“Ao criarmos um CheckList, ressaltamos a importância da análise multivariada de dados, que é fundamental para uma estratégia efetiva da campanha de vendas, com conversões reais por meio do bom funcionamento do ecossistema digital na Black Friday 2021, levando em conta a infraestrutura de cada um”, explica André Gutierrez, Diretor Executivo da QADS – braço de Inteligência Artificial, Analytics & Decision Science da Qintess.

Para isso, a Qintess se apoia no uso da Inteligência Artificial. “A Inteligência Artificial é diretamente responsável pelo atendimento aos usuários que desejam algo personalizado e humanizado em suas jornadas”, aponta André.  Além disso, ele assinala que previsões mais assertivas através de big data analytics podem ajudar empresas a identificarem tendências utilizando a AI para administrar preços, estoque e logísticas de entrega.

O gerenciamento de aplicativos e sistemas é outro item que ajuda a verificar falhas nas etapas, acompanhando desde a homepage até o checkout, passando por todas as outras páginas do site, simulando a jornada que o cliente fará para realizar a compra e prevendo possíveis falhas no sistema. André lembra que a Black Friday não termina no sábado: “É preciso gerar relatórios de desempenho e o levantamento dos resultados e a eventual correção de erros. Por isso, a análise real de dados já será o ponto de partida para o sucesso da edição de 2022”.

Black Friday e o Varejo Brasileiro

A Black Friday já é um dos períodos mais lucrativos do varejo brasileiro. Em 2020, o número de vendas cresceu cerca de 24,7% em comparação ao ano anterior. E, segundo a E-commerce Brasil, as vendas pela internet aumentaram em 54,7% no primeiro trimestre deste ano se comparado ao mesmo período de 2019. A tendência, portanto, é que esse número seja ainda maior nesta edição.

Porém, o consumidor estará cada vez mais exigente em relação à sua experiência de compra, bem como segurança de seus dados e a navegação por sistemas ágeis que não apresentem lentidão na hora de fechar o pedido, por exemplo. Na Black Friday de 2020, sites com lentidão ou instabilidade custaram cerca de R$48,7 mi aos cofres das empresas, e com o número de carrinhos abandonados chegando até a 82,3% dos casos.

Sobre a Qintess
A Qintess combinou as expertises de estratégia, inovação, design e tecnologia para se tornar líder em transformação digital, desenvolvendo capacidades digitais, design inovador e capacitação de TI para suportar os clientes na jornada em direção a um crescimento sustentável do negócio. Com uma obsessão por inovação e agilidade na tomada de decisão, nossas pessoas aceleram a entrega de soluções para diversos desafios de negócio, gerando valor para nosso ecossistema de clientes e parceiros. Todas as nossas ações estão alinhadas com as melhores práticas de ESG, com uma genuína preocupação com as nossas pessoas e com as comunidades onde operamos.

A Qintess possui aproximadamente 3.200 funcionários e mais de 2.000 clientes, com operações no Brasil, Chile, Colômbia, Estados Unidos e EMEA. Entre seus principais clientes estão sete das dez principais instituições financeiras do mundo, oito das dez maiores empresas de serviços públicos do Brasil e duas das três maiores empresas de telecomunicações do país. Para saber mais, acesse: www.qintess.com

Mais informações
Casé Comunica – @casecomunica
Andréa M. Diniz – andrea@casecomunica.com.br
Fabiana Oliva – fabiana@casecomunica.com.br

AfroSaúde lança plataforma gratuita com profissionais de saúde negros

Pacientes de todo o Brasil que estão em busca de um profissional negro das diversas atuações em saúde já podem ter acesso à versão completa da plataforma AfroSaúde. A ferramenta gratuita para pacientes, lançada nesta segunda-feira (23), conta com funcionalidades como agendamento de consultas e/ou procedimentos para atendimento online ou presencial, receituário eletrônico, dentre outras funções. O aplicativo está disponível para aparelhos com sistema Android, ou na versão web, disponível no endereço www.afrosaude.com.br.

Fundada em 2019, a startup AfroSaúde busca desenvolver soluções tecnológicas em serviços de saúde para a comunidade negra. Pensando no problema do racismo estrutural, a empresa é uma healthtec de impacto social que busca dar visibilidade ao profissional de saúde negro e conectá-los a pacientes que buscam representatividade e atendimento mais qualificado em diversas atuações da área. A AfroSaúde integra o time de startups acelerada pela Vale do Dendê, que foram escolhidas no ano passado pelo Qintess Ignite Startups, programa de uma das mantenedoras da instituição.

De acordo com o sócio fundador e Chief Executive Officer (CEO), o dentista Arthur Lima, este é um marco na empresa, tendo em vista que a plataforma completa já estava sendo esperada por pacientes pré-cadastrados de todo o Brasil.

“Lançamos a primeira versão da plataforma, por onde os pacientes podiam encontrar os profissionais e resolver o principal problema notado na criação do negócio, que foi a falta de visibilidade dos profissionais de saúde negros no mercado e a dificuldade de os pacientes encontra-los. Agora, com o lançamento, essa conexão será mais completa, pois o paciente poderá agendar os atendimentos online ou presencial, além de ter na palma da sua mão profissionais das mais diversas atuações em saúde”, afirma.

Atualmente, a plataforma possui cerca de 900 profissionais cadastrados em todo o Brasil, que terão à sua disposição uma plataforma completa que funcionará como um consultório digital, disponibilizando a agenda e acesso a prontuário eletrônico, atendimento online/telemedicina (para as áreas liberadas), receituário com assinatura digital, pagamentos automatizados, dentre outras funcionalidades.

Crescimento

Após dois anos entendendo o mercado e desenvolvendo a solução, a AfroSaúde lança seu principal produto com foco em crescimento e, mesmo em fase inicial, a healthtec já chamou a atenção de gigantes da tecnologia, como a Google, pela qual recebeu um investimento por meio do programa Google for Startups, e Qintess, aceleradora da indústria de Tecnologia da Informação e um dos principais players em transformação de negócios da América Latina. Antes disso, a empresa já havia passado pelo processo de aceleração da Vale do Dendê, aceleradora sediada em Salvador que atua no ecossistema do Nordeste.

Para o sócio fundador e Chief Strategy Officer (CSO), o jornalista Igor Leo Rocha, o foco no crescimento da empresa vai de encontro com o momento em que o Brasil está vivendo, no qual as pessoas estão, ainda mais, buscando representatividade em todas as áreas, inclusive na saúde.

“Já temos profissionais cadastrados em todo o Brasil e esse alcance foi, até o momento, orgânico. A partir de agora, chegamos ao mercado com uma plataforma mais completa, o que nos dá ainda mais força para alcançar os profissionais de saúde negros que buscam ser visibilizados por um mercado que só os esconde e os pacientes que buscam representatividade nos atendimentos de Psicologia, Medicina, Odontologia, Fisioterapia, Nutrição e outras mais de 30 áreas cadastradas na ferramenta. A estratégia, agora, é escalar o negócio”, conta.

As informações completas sobre a AfroSaúde podem ser obtidas por meio do portal www.afrosaude.com.br, ou nas redes sociais.

Sobre a Vale do Dendê

A Vale do Dendê é uma organização social criada para fomentar ecossistemas de inovação e diversidade tendo como foco principal a cidade de Salvador, Bahia. A iniciativa teve início em novembro de 2016 com um workshop que reuniu representantes de diversas empresas e instituições da cidade. Em 2017, foi realizada a primeira edição da Ocupação Afro. Futurista e lançada a Aceleradora Vale do Dendê em 2018 iniciou um programa de aceleração que já apoiou 120 empresas diretamente. Além disso, a organização mantém um hub físico na Estação Nova Lapa onde passam 500 mil pessoas por dia.

Mais informações sobre Vale do Dendê e Qintess:
Casé Comunica – @casecomunica
Andréa M. Diniz – andrea@casecomunica.com.br
Fabiana Oliva – fabiana@casecomunica.com.br

Atriz Thalita Carauta fala sobre hiperssexualização dos corpos negros em segundo episódio de Sexta Black

A atriz, autora e diretora teatral brasileira Thalita Carauta é a entrevistada do “Sexta Black” que vai ao ar nesta sexta-feira, dia 20 de agosto, às 20h, no Youtube da GNT.
Comandado pela publicitária, escritora, apresentadora e mestra em Relações Étnico-Raciais, Luana Génot, o segundo episódio da nova temporada da atração debate a hiperssexualização dos corpos negros.  “A gente ouve expressões como ‘mulata tipo exportação’ e ‘negão gato’ como uma forma de elogio mas elas trazem consigo todo um peso que faz com que negros e negras não sejam vistos como corpos amáveis“, explica Luana.
Durante o programa, além de falar sobre o tema e como a mídia ajuda a reforçar estereótipos, Thalita, que atualmente está em um relacionamento com a também atriz Tamirys Ohanna, comenta sobre a importância de representatividade e de tornar pública a sua orientação sexual: “Lembro que uma vez eu estava em uma reunião de um grupo de teatro na Lapa, e as pessoas estavam falando sobre os grupos que sofriam mais violência, falando de mulheres, negros, sapatão… e eu falei ‘caramba, eu sou tudo isso’. É tudo um pacote eu não consigo desvencilhar uma coisa da outra, é um combo que chega“, falou a convidada, durante a entrevista.
O segundo episódio de “Sexta Black” vai ao ar no dia 20 de agosto às 20h no canal do Youtube da GNT.
Sobre o #SextaBlack

Criado e comandado pela publicitária, escritora, apresentadora e mestra em Relações Étnico-Raciais, Luana Génot. O programa #SextaBlack nasceu do objetivo de fazer com que mais pessoas brancas, pretas, amarelas, pardas ou indígenas dialoguem e reflitam sobre temas como cor, raça, trajetória, pertencimentos  afim de criar, juntos, uma sociedade antirracista na prática. Exibido no canal do YouTube da GNT, o programa teve sua primeira temporada vinculada entre novembro de dezembro de 2020 com cinco episódios que contaram com a participação de personalidades e especialistas como Hélio de La Peña, Kaê Guajajara e Lian Thai. Com direção e co-criação de Shirlene Paixão e Jorge Espírito Santo, o programa também reforça a diversidade, tanto à frente, quanto por trás das câmeras e já está com a segunda e a terceira temporada confirmadas. Assista em Youtube.com/canalGNT

Sobre Luana Génot

Fundadora e Diretora Executiva do Instituto Identidades do Brasil (ID_BR), que impulsiona práticas antirracistas no mundo corporativo e na sociedade, Luana Génot é mãe da Alice, publicitária e mestra em Relações Étnico-Raciais pelo CEFET-RJ. Autora do livro “Sim à Igualdade Racial – Raça e Mercado de Trabalho”, que foi finalista do Prêmio Jabuti 2020. Já foi voluntária na campanha de Barack Obama e tem treinado executivos no Brasil, Estados Unidos, México, França, entre outros. Para acompanhar o trabalho de Luana Génot, o instagram é @luanagenot

Mais informações para imprensa:
Casé Comunica
www.casecomunica.com.br
Redes Sociais: @casecomunica
rafael@casecomunica.com.br
fabiana@casecomunica.com.br

Casé Comunica assume a gestão da comunicação da plataforma Feminismos Plurais

A Casé Comunica, empresa de Relações Públicas com 30 anos de atuação, fundada por Patrícia Casé, assume a gestão da comunicação da plataforma Feminismos Plurais, maior streaming de educação dedicado a conteúdo antirracista do Brasil, criada com propósito de disseminar informação crítica, produzida por pessoas negras.

Idealizada pela filósofa e autora Djamila Ribeiro, a Feminismos Plurais tem o objetivo proporcionar letramento racial como um importante instrumento de reeducar, numa perspectiva antirracista e, com isso, fortalecer indivíduos e o mercado corporativo na luta contra o racismo. Fazem parte do portfólio de serviços e produtos oferecidos pela

plataforma cursos com a temática antirracista, aulas ao vivo, artigos exclusivos, fóruns e programas de mentoria. O portal é a iniciativa audiovisual da Coleção Feminismos Plurais que desde 2017 comercializou mais de 300 mil livros, como Lugar de Fala, da própria Djamila; Interseccionalidade, de Carla Akotirene; Apropriação Cultural, de Rodney Rodrigues; entre outras obras.

Reconhecida internacionalmente como uma das principais vozes no combate ao racismo, Djamila também, por meio da Coleção e da plataforma Feminismos Plurais, dá visibilidade a importantes intelectuais negros e negras que produzem obras e que têm protagonizado a construção de um país livre do racismo.

Além da gestão de comunicação da Feminismos Plurais, que acaba de chegar ao time da Casé Comunica e será atendida por Neila Costa, a Casé Fala, agência de conteúdo e curadoria de palestras, comandada por Patrícia Casé e Fabiana Oliva, que já fazia todo o gerenciamento de carreira da Djamila Ribeiro e agora passa a atuar também como gestora comercial da filósofa.

Alguns cursos oferecidos na Feminismos Plurais:

  • Racismo Recreativo, por Adilson Moreira.
  • Lugar de Fala, por Djamila Ribeiro.
  • Encarceramento em Massa, por Juliana Borges.
  • Intolerância Religiosa, por Sidnei Nogueira.
  • Letramento Racial e Conhecimentos Antirracistas, por Thiago Teixeira.
  • Transfeminismo, por Letícia Nascimento.
  • Violência Doméstica, por Thayná Yaredy.
  • Discriminação no ambiente de trabalho, por Bruna Marcondes.
  • Discurso de ódio nas redes sociais, por Luiz Valério Trindade.

Serviço:
Plataforma: https//feminismosplurais.com.br/cursos/
Valor mensal da assinatura: a partir de R$ 19,90
https://feminismosplurais.com.br/
Instagram.com/feminismosplurais
Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=QYYZDAs1e2k
 
Mais informações para imprensa:
Casé Comunica
www.casecomunica.com.br
Redes Sociais: @casecomunica
Neila Costa – neila@casecomunica.com.br

HERvolution da KondZilla revelou talentos femininos do funk

Idealizado por Alana Leguth, sócia-fundadora da KondZilla Filmes, a plataforma HERvolution estreou como um concurso para trazer talentos femininos para a produção musical do funk. Pesquisa realizada pela União Brasileira de Compositores (UBC) demonstrou que 79% das mulheres que atuam na música são discriminadas. E ainda, de acordo com dados da ONG WIM (Women in Music), apenas 30% do setor musical no mundo é composto por mulheres. Nos palcos, as mulheres ainda conseguem ocupar espaços de grande relevância, porém enfrentam enormes barreiras nos bastidores.

Foi neste cenário que Alana Leguth se pautou para criar o projeto HERvolution. “Nossa ideia é ter letra escrita por mulher, o arranjo e a produção feito por elas e, claro, cantada por uma mulher, seja ela do funk, do trap ou do rap”, explica Alana. Na primeira etapa foram apresentados lançamentos com músicas e videoclipes produzidos pela produtora KondZilla com artistas da casa. Depois, HERvolution estreou como um programa televisivo semanal de variedades, na RedeTV!, em que todo o universo feminino é protagonista de histórias, desafios e debates – sendo uma das faces do projeto homônimo idealizado por Alana.

Dentro do programa HERvolution aconteceu o concurso para encontrar produtoras musicais de funk e revelar novos talentos. Cinco candidatas, que enviaram seus materiais através das redes sociais da KondZilla, foram as selecionadas a participar do concurso. As juradas foram Miria Alves, empreendedora musical com 10 anos de carreira e uma referência no hip hop brasileiro, Dani Russo, cantora de funk, e Apuke, beatmaker e produtora musical com 12 anos de estrada.

As candidatas foram: Sistah Mari, DJ Brum, Brazook, Skye e Luísa. Na primeira prova elas tiveram uma hora para produzir um beat autoral com base de funk, após avaliação das juradas a eliminada foi a Sistah Mari. Já na segunda prova, as participantes sortearam um ritmo que elas deveriam mesclar com o funk e todas tiveram meia hora para produzir um beat, dessa vez Brazook teve que se despedir. Na semifinal as três participantes tiveram que produzir um beat de funk mandelão e a candidata Luísa não apresentou bom rendimento.

A grande final foi entre a DJ Brum e Skye, cada uma teve uma hora para criar um projeto de beat para uma composição autoral da cantora Fanieh. Elas deveriam criar melodia e beat da música. E a revelação da ganhadora foi anunciada apenas no palco do programa pela Mila, cantora e apresentadora do HERvolution. Skye foi a grande campeã e fará a produção musical da nova música da Mila, que também contará com um clipe. Ambas com produção da KondZilla e lançadas no canal KondZilla – o maior canal de funk do mundo e o primeiro maior do Youtube no Brasil e América Latina.

Alana explica que quer dar mais visibilidade para as ‘minas’ que estão dominando este estilo de música, valorizar aquelas que trabalham no mercado musical e não são reconhecidas ou não tem sua profissão divulgada. “Realizar esse concurso e em um canal de televisão aberta é mostrar a potência feminina não só com talentos novos, mas com profissionais do audiovisual que estão conquistando um espaço imenso, antes, dominado por homens”, finaliza Leguth.

Sobre a KondZilla

A KondZilla é uma holding de empresas, todas sob o comando de Konrad Dantas, criador e fundador da KondZilla. Tudo começou com a produtora de videoclipes, KondZilla Filmes, destacando-se na produção audiovisual para artistas do funk, até se tornar no maior canal do Youtube no Brasil e da América Latina, o maior canal de Funk do mundo e o 4º maior canal de música do mundo. São mais de 63 milhões de inscritos no canal, mais de 34 bilhões de visualizações e mais de 1.600 videoclipes.

Hoje a KondZilla é uma companhia multiplataforma (canal KondZilla, produtora audiovisual, licenciamento, produtora fonográfica/gravadora, editora literomusical, agenciamento de publicidade, agenciamento showbusiness, portal KondZilla e agência), especializada  em produções musicais e audiovisuais  para o público jovem de favela. E em 2019, a KondZilla lançou a série Sintonia na Netflix, e foi a produção brasileira mais assistida da plataforma naquele ano, disponível em 190 países

Mais informações para imprensa:
Casé Comunica
www.casecomunica.com.br
Redes Sociais: @casecomunica
nadja@casecomunica.com.br
mariana@casecomunica.com.br
fabiana@casecomunica.com.br

Inscrições abertas para a edição 2021 do RME Acelera

A Rede Mulher Empreendedora, primeira e maior rede de apoio a empreendedoras do Brasil, anuncia seu programa de aceleração o RME Acelera 2021. Serão apenas 10 negócios acelerados e as inscrições podem ser realizadas até o próximo dia 30 de agosto. A edição 2021 já conta com o apoio da ACE, Anjos do Brasil, Maya Capital, Canary, Iporanga e BMA Advogados. A Rede convida também as companhias que queiram participar mais ativamente desse movimento apoiando a inclusão de mais mulheres no ecossistema de startups.

O RME Acelera foi criado em 2018 com o objetivo de impulsionar negócios com alto potencial de crescimento e apoiar na inclusão de mais mulheres em startups. O programa é gratuito, equity free e com acompanhamento individual, mentorias e conexão com investidores.

Ana Fontes, Fundadora e Presidente da Rede e do Instituto Rede Mulher Empreendedora, explica que “após ouvir aceleradoras, investidores, redes de investidores anjos e fundos venture capital e private equity, a RME entendeu que é necessário incluir as empresas na participação ativa desse movimento e não somente convidá-los para o Demoday”.

Por isso, como novidade para a edição deste ano, a Rede convida e convoca parceiros para compartilharem desse aprendizado. “É uma forma incrível de troca humana. Ter participação dos investidores suportando a diversidade e a inclusão, buscando negócios alinhados às suas teses de desenvolvimento”, afirma Ana Fontes. Além do contato direto com inscritos e, posteriormente, selecionados, os parceiros também terão atividades focadas no RME Acelera, como o Masterclass ou Café com Investidores.

A Rede Mulher Empreendedora apoia mulheres em startups desde 2014, na organização do Startup Weekend São Paulo Women; entre 2015 e 2017, no apoio do Prêmio Mulheres Tech em Sampa com a Prefeitura SP e, em 2020, apoiando o Mulheres Inovadoras com a FINEP.

Serviço
Inscrição: até 30 de agosto de 2021
Local/site: https://bit.ly/RME_Acelera2021
Seleção: 1º a 17 de setembro de 2021
Live de lançamento do RME Acelera 2021: 09 de agosto – transmissão pelo Youtube
Welcome aboard com Ana Fontes: 23 de setembro
Sobre a Rede Mulher Empreendedora

Primeira e maior rede de apoio a empreendedoras do Brasil, a Rede Mulher Empreendedora – RME existe desde 2010 e já impactou mais de 750 mil pessoas. Criada pela empreendedora social, Ana Fontes, tem como objetivo apoiar as mulheres na busca por autonomia econômica e geração de renda, por meio de capacitações, conteúdo qualificado, conexões, mentorias, acesso ao mercado através de marketplace, programas de aceleração e acesso a capital.

A RME promove eventos anuais como a Casa das Empreendedoras e o Fórum Empreendedoras; eventos mensais como Café com Empreendedoras e Mentorias; também conta com um programa de aceleração, o RME Acelera, cursos intensivos para quem quer empreender, trilhas de conhecimento online e o programa RME Conecta, que faz a ponte entre negócios de mulheres com grandes empresas para negociação e fornecimento B2B. Além disso, conta com um marketplace com 1691 empresas cadastradas. Em 2017, Ana Fontes resolveu ampliar seus objetivos e criou o Instituto Rede Mulher Empreendedora, focado na capacitação de mulheres em situação de vulnerabilidade.

Mais informações para imprensa:
Casé Comunica
www.casecomunica.com.br
Redes Sociais: @casecomunica
mariana@casecomunica.com.br
nadja@casecomunica.com.br
fabiana@casecomunica.com.br