Taxa de voluntariado cai em 2020 e Transfoma Brasil promove prêmio com objetivo de aumentar o engajamento cívico

Segundo estudo realizado pela World Giving Index (WGI), da Charities Aid Foundation (CAF), representada no Brasil pelo IDIS – Instituto para o Desenvolvimento do Investimento Social, o Brasil ocupa apenas o 54º lugar no Ranking Global de Solidariedade, sendo que, no último ano, a proporção de pessoas a partir de 14 anos de idade dedicadas ao trabalho voluntário caiu de 4,3% para 4%.

Diante desse cenário o Transforma Brasil, social tech do grupo Rede Muda Mundo que conecta projetos sociais de todo o país a voluntários, de acordo com perfil e áreas de interesse, e desenvolve iniciativas de engajamento cívico e responsabilidade social, está promovendo a primeira edição do prêmio “Voluntariado Transforma”.

Lançado em 28 de agosto, Dia Nacional do Voluntariado, quando a premiação foi apresentada em cerimônia no Cristo Redentor, o “voluntariômetro” está rodando e contabilizando as ações sociais realizadas pelos participantes da plataforma, marcando os dados que serão a base para o reconhecimento das três pessoas com mais horas de trabalho voluntário nas categorias Empresas, Voluntários, Setor Público (cidades, municípios), ONG’s, Instituições Religiosas e Personalidades. Além disso, 17 projetos ou iniciativas que mais estimularem ações de voluntariado e engajamento também serão premiados.

Segundo prévia do “voluntariômetro”, cerca de 3,8 milhões de horas de trabalho voluntário foram realizados até o momento e a expectativa é de ultrapassar 5 milhões até a premiação. Os vencedores ganharão, entre troféus, medalhas e reconhecimentos, uma viagem de experiência que proporcionará uma verdadeira imersão no ecossistema social do Rio de Janeiro (RJ) e, claro, vão participar da cerimônia de entrega em evento no Cristo Redentor.

Para Fábio Silva, presidente do Transforma Brasil, o prêmio é mais uma das formas encontradas para estimular a participação de pessoas no ecossistema do voluntariado. “A Covid-19 acentuou ainda mais a vulnerabilidade das comunidades mais pobres e aumentou as diferenças econômicas e sociais. Mas, ao mesmo tempo, fez surgir uma nova conjuntura social, onde as pessoas são codependentes e a arma mais poderosa para vencer uma crise humanitária é a solidariedade. Ajudar o próximo nunca foi tão importante como está sendo agora. Somos mais de 212 milhões de brasileiros, mas temos apenas 6,9 milhões de pessoas voluntárias. Precisamos ampliar, ainda mais, essa rede do bem”, comenta o empreendedor social.

Quem tiver interesse em participar do Voluntariado Transforma deve inscrever projetos, iniciativas e voluntários na plataforma (http://www.transformabrasil.com.br). As iniciativas precisam mostrar engajamento e abrir ações de voluntariado para estimular o “match do bem”, de forma a conectar pessoas que precisam de ajuda com pessoas que querem ajudar. A iniciativa também está aberta para a inclusão de patrocinadores, colaboradores e promotores.

“O objetivo é celebrar o resultado de tantas iniciativas e pessoas que fazem e ajudam milhares de pessoas no país para que eles continuem trabalhando por uma sociedade menos desigual, além de incentivar a participação de cada vez mais voluntários no Brasil”, finaliza Fábio.

 

Prêmio Voluntariado Transforma
Entrega aos vencedores no dia 28 de agosto de 2022 no Cristo Redentor
A contagem das horas é realizada entre os voluntários cadastrados na plataforma Transforma Brasil.
Para mais informações: https://www.voluntariadotransforma.com/

Sobre o Transforma Brasil
Plataforma de voluntariado e engajamento cívico que tem como visão transformar o Brasil através dos cidadãos, o Transforma Brasil é uma social tech que conecta projetos sociais de todo o país a voluntários de acordo com perfil e áreas de interesse, além de desenvolver iniciativas de engajamento cívico e responsabilidade social. Assim, profissionais de diversas áreas podem se cadastrar e se identificar com causas que precisem de apoio. As ações de voluntariado estão presentes em diversas áreas, como esporte, meio ambiente, treinamento profissional, pessoas com doenças raras, deficientes físicos, igualdade de gênero, combate à pobreza, proteção animal, educação, cultura e arte e muitos outros. O Transforma Brasil conta com cerca de três mil iniciativas sociais, 800 mil brasileiros cadastrados e quase 3 milhões de horas de trabalho voluntário em seu “voluntariômetro”. A Neoenergia, maior grupo privado do setor elétrico brasileiro, é o apoiador master oficial do Transforma Brasil.

Sobre a NEOENERGIA
Companhia de capital aberto com ações (NEOE3) negociadas na Bolsa de Valores de São Paulo. Parte do grupo espanhol Iberdrola, a empresa atua no Brasil desde 1997, sendo atualmente uma das líderes do setor elétrico do país. Presente em 18 estados e no Distrito Federal, seus negócios estão divididos nas áreas de geração, transmissão, distribuição e comercialização. As suas distribuidoras, Neoenergia Coelba (BA), Neoenergia Pernambuco (PE), Neoenergia Cosern (RN), Neoenergia Elektro (SP/MS) e Neoenergia Brasília (DF) atendem a mais de 15 milhões de clientes, o equivalente a uma população superior a 37 milhões de pessoas. A Neoenergia possui 4 GW de capacidade instalada em geração, sendo 88% de energia renovável, e está implementando mais 1 GW com a construção de novos parques eólicos. Em transmissão, são 1,4 mil km de linhas em operação e 5,3 mil km em construção. Por meio do Instituto Neoenergia, fomenta o desenvolvimento sustentável a partir de ações socioambientais e, assim, contribui para a melhoria da qualidade de vida das comunidades onde a empresa atua, sobretudo, pessoas mais vulneráveis, visando sempre pelo desenvolvimento sustentável. A companhia é primeira empresa no País a patrocinar exclusivamente a Seleção Brasileira de Futebol Feminino, dando nome à competição nacional, que passa a se chamar Brasileirão Feminino Neoenergia. Desde janeiro 2021, integra a carteira do Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3 – Brasil, Bolsa, Balcão – que reúne companhias que possuem as melhores práticas de governança e sustentabilidade corporativa

Mais informações para imprensa:
Casé Comunica
www.casecomunica.com.br
Redes Sociais: @casecomunica
Mariana Marques – mariana@casecomunica.com.br
Rafael Serato – rafael@casecomunica.com.br
Andréa M. Diniz – andrea@casecomunica.com.br

No mês da Consciência Negra Djamila Ribeiro lança, em sua plataforma, o curso inédito de Letramento Racial

No mês da Consciência Negra, a filósofa e autora Djamila Ribeiro lançou o curso inédito de letramento racial que é ministrado por ela em sua plataforma, a Feminismos Plurais, maior streaming de educação antirracistas e feminista do Brasil. O lançamento ocorreu no sábado, dia 20 de novembro, e o curso está disponível na plataforma, que oferece assinatura mensal com valor acessível de R$ R$ 19,90.

Racismo interpessoal, racismo estrutural, racismo institucional, discriminação, discriminação racial, preconceito racial, privilégios são algumas das relevantes temáticas abordadas neste curso, que pretende desconstruir comportamentos que reforçam o racismo nas nossas relações sociais.

O 12º curso da Plataforma Feminismos propõe um mergulho sobre a compreensão do racismo como uma ideologia que sustenta um sistema de opressão responsável por humilhações, discriminações, violências físicas e simbólicas e distribuição de privilégios. É visto como o resultado de uma interação complexa de crenças individuais, valores e ideologias compartilhadas e práticas institucionais engessadas. “É importante vermos como somos ensinados a ser racista e buscar ferramentas para aprender a descontruir essas ações e também entender que a educação antirracista precisa ser contínua”, afirma a filósofa e autora Djamila Ribeiro.

Sobre a Feminismos Plurais:

A Feminismos Plurais, maior streaming de educação antirracistas e feminista do Brasil, tem o objetivo proporcionar letramento racial como um importante instrumento de reeducar, numa perspectiva antirracista e, com isso, fortalecer indivíduos, a sociedade em geral e o mercado corporativo na luta contra o racismo. No portfólio cursos com a temática antirracista, feministas, aulas ao vivo, artigos exclusivos, o podcast Onda Negra, entrevistas, fóruns e programas de mentoria.  O streaming é a iniciativa audiovisual da Coleção Feminismos Plurais que desde 2017 comercializou mais de 300 mil livros, como Lugar de Fala, da própria Djamila, Apropriação Cultural, de Rodney Rodrigues, ; Interseccionalidade, de Carla Akotirene; Apropriação Cultural, de Rodney Rodrigues; entre outras obras.

 

Serviço:

Plataforma: https//feminismosplurais.com.br/cursos/

Valor mensal da assinatura: a partir de R$ 19,90

https://feminismosplurais.com.br/

Instagram.com/feminismosplurais

Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=QYYZDAs1e2k

 

Mais informações para imprensa:

Casé Comunica

www.casecomunica.com.br

Redes Sociais: @casecomunica

Neila Costa – neila@casecomunica.com.br Redes Sociais: @casecomunica

Mariana Marques – mariana@casecomunica.com.br
Fabiana Oliva – fabiana@casecomunica.com.br
Gustavo Costa – imprensa@casecomunica.com.br

Brownie do Luiz e Feminismos Plurais criam rótulo especial para o mês da consciência negra

O Brownie do Luiz e a plataforma Feminismos Plurais trazem uma parceria inédita para o mês de novembro, período contemplado pelo Dia da Consciência Negra, celebrado no dia 20. Com objetivo de incentivar e destacar a importância do acesso a conteúdos que promovem o letramento racial e, consequentemente, educam sobre medidas antirracistas, o veneno da lata ganhará um rótulo especial e que pode ter ainda 30 dias de assinatura na plataforma Feminismos Plurais.

Segundo Luiz Quinderé, fundador do Brownie do Luiz, realizar essa parceria com a plataforma criada pela filósofa Djamila Ribeiro, uma das maiores autoridades dos temas feministas e raciais, foi a forma mais adequada que a marca encontrou para abordar essa discussão tão importante. “Nós buscamos a Feminismos Plurais por ser uma referência de educação na questão racial, acreditamos que será importante apresentar esse conteúdo tanto para os nossos clientes quanto para nossos colaboradores, parceiros e amigos”, finaliza Luiz.

“Ficamos muito felizes com esse convite e esperamos que nossas vozes cheguem a mais pessoas ainda por meio dessa parceria, o nosso objetivo é de formação, letramento racial e isso só pode acontecer de maneira contínua”, afirma Djamila Ribeiro, autora, filósofa e fundadora da Feminismos Plurais.

Para quem quiser comprar o Veneno da Lata Feminismos Plurais já com o acesso de 30 dias à Feminismos Plurais, há um valor promocional de R$ 49,90. E comprando apenas a lata é de R$ 30. Há ainda um cupom de 10% de desconto para todos os pedidos que tenham a lata Feminismos Plurais, para garantir basta utilizar FEMINISMOSPLURAIS no check out do site.

Além da venda da lata, as marcas firmaram um acordo e para ampliar ainda mais o acesso ao conteúdo da plataforma. Com isso, a cada quatro latas vendidas, uma assinatura mensal será sorteada nas redes sociais do Brownie do Luiz. E durante todo o mês de novembro, as redes sociais do Brownie do Luiz receberão conteúdo exclusivo da Feminismos Plurais.

Veneno da Lata Feminismos Plurais

Várias casquinhas de brownie de chocolate em formato de tiras e dentro da lata mais famosa de todas com rótulo especial Feminismos Plurais.

Preços:

Veneno da Lata Feminismos Plurais R$ 30 (200g)

https://browniedoluiz.com.br/produto/brownie-lata-feminismos-plurais/

Veneno da Lata Feminismos Plurais + Assinatura de 30 dias da plataforma Feminismos Plurais R$ 49,90

https://browniedoluiz.com.br/produto/brownie-lata-feminismos-plurais-ass/

Cupom de 10% de descontos no site para pedidos que incluam Veneno da Lata Feminismos Plurais: FEMINISMOSPLURAIS

Sobre o Brownie do Luiz

Em 2005, Luiz Quinderé (aos 15 anos) começou a fazer brownies para vender na escola, com a ajuda de Vânia, na época empregada da família e hoje sócia da marca. Juntos, faziam de 24 a 48 unidades que eram vendidas rapidamente. Após 16 anos, o Brownie do Luiz é uma empresa consolidada, com cinco sócios (incluindo Luiz e Vânia), que possui um portfólio de produtos diversos a partir da receita original. De embalagens personalizadas por artistas parceiros, passando por collabs com empresas sinérgicas, produtos sazonais como Ovos de Páscoa, até os recém-chegados Brownie Zero Açúcar e Cookie de Brownie.

Sobre a Feminismos Plurais

Coordenada por Djamila Ribeiro, a plataforma Feminismos Plurais é um espaço virtual de ensino de temas críticos e fundamentais para a compreensão da sociedade brasileira. Além de diversos cursos, a plataforma oferece acesso às rodas de conversas e cultura, aulões, dicas e artigos exclusivos, com conteúdos criados por renomados professores negros e negras do país.

Serviço:

Plataforma: https//feminismosplurais.com.br/cursos/

Valor mensal da assinatura: a partir de R$ 19,90

https://feminismosplurais.com.br/

Instagram: : https://www.instagram.com/feminismos.plurais/

Youtube: https://www.youtube.com/watch?v=QYYZDAs1e2k

Mais informações para imprensa:
Casé Comunica
www.casecomunica.com.br
Redes Sociais: @casecomunica
Mariana Marques – mariana@casecomunica.com.br
Fabiana Oliva – fabiana@casecomunica.com.br
Gustavo Costa – imprensa@casecomunica.com.br

Luiz Quinderé oferece mentoria individual e online para empreendedores

Empreendedor desde os 15 anos, Luiz Quinderé começou fazendo brownie para vender na escola e ao lado de Vânia – na época empregada da família – criou o Brownie do Luiz, marca que tem 16 anos de atuação com seis lojas próprias, portfólio variado de produtos e presente nos principais varejistas e marktplaces do País.

Com tantos anos de experiência, criando processos, método de fabricação e até elaborando maquinário próprio, que levaram o Brownie do Luiz a uma capacidade produtiva diária na casa dos 10 mil brownies, Luiz passa a transbordar sua jornada empreendedora fazendo uma das coisas que mais gosta: apoiando outros empreendedores.

Foi assim que surgiu a ideia de realizar a Mentoria com Luiz, uma plataforma simples de relacionamento que permite a empreendedores de todo o Brasil um bate-papo franco sobre negócios, não importa o estágio do empreendimento. Segundo Luiz, a rede de apoio e a busca por conhecimento são essenciais em qualquer empreitada. “O objetivo é falar abertamente sobre empreendedorismo e dar dicas, que eu não tive quando comecei e acredito que possam ser muito valiosas, principalmente para quem tá começando”, afirma o empresário.

Para participar, basta que o empreendedor se cadastre pelo site, preenchendo um breve questionário para explicar um pouco mais a empresa, qual maior dificuldade, desafios, expectativas e o que gostaria de resolver e dividir com Luiz. “O intuito é dividir ideias e experiências, por isso pedimos essas informações iniciais, assim, com o principal assunto em pauta podemos aproveitar ao máximo esse momento de troca, otimizando tempo inclusive”, comenta Luiz.

São dois atendimentos individuais e online de 1h cada, agendados em dias diferentes. A mentoria custa R$ 1.500 e para se inscrever, basta acessar https://browniedoluiz.com.br/mentoria/.

Sobre o Brownie do Luiz

Em 2005, Luiz Quinderé (aos 15 anos) começou a fazer brownies para vender na escola, com a ajuda de Vânia, na época empregada da família e hoje sócia da marca. Juntos, faziam de 24 a 48 unidades que eram vendidas rapidamente. Após 16 anos, o Brownie do Luiz é uma empresa consolidada, com cinco sócios (incluindo Luiz e Vânia), que possui um portfólio de produtos diversos a partir da receita original. De embalagens personalizadas por artistas parceiros, passando por collabs com empresas sinérgicas, produtos sazonais como Ovos de Páscoa, até os recém-chegados Brownie Zero Açúcar e Cookie de Brownie.

 

Mais informações para imprensa:
Casé Comunica
www.casecomunica.com.br
Redes Sociais: @casecomunica
Mariana Marques – mariana@casecomunica.com.br
Fabiana Oliva – fabiana@casecomunica.com.br
Gustavo Costa – imprensa@casecomunica.com.br

Camila Coutinho apresenta 5 projetos de empreendedoras do GE Formando Líderes

A empresária e comunicadora Camila Coutinho se encontrou presencialmente, pela primeira vez, com o grupo de alunas do GE Formando Líderes, iniciativa idealizada por ela e realizada em parceria com o Porto Social, que oferece mentoria com um time especializado para capacitar, treinar e desenvolver mulheres em empreendedorismo e gestão de negócios.

Segundo Camila Coutinho, o projeto é uma forma de incentivar mulheres a terem independência financeira e, com isso, conquistarem também mais autonomia em suas vidas. “Acredito que empreender é criar uma oportunidade. Não gosto de romantizar ou propagar o discurso de que é algo supersimples, mas pode ser uma opção incrível para muitas mulheres retomarem seu poder de escolha, sim!”, comenta Camila.

Destinado a mulheres que vivem nas comunidades do Rio de Janeiro (RJ) e possuam alguma ideia ou empreendimento com potencial para trazer impactos positivos à comunidade e ao planeta, o programa está trabalhando inicialmente com 35 beneficiadas e tem duração de três meses, terminando no final de novembro de 2021, com workshops e mentorias coletivas nas áreas do empreendedorismo social, gestão, vendas, comunicação, liderança e educação financeira.

“Conhecer de perto a força, coragem e determinação dessas mulheres, e saber que cada um de nós pode colaborar de alguma forma para o desenvolvimento delas, é muito especial”, diz Camila. Conheça 5 projetos do programa:

Rampa Criativa, Juliana Francisco: formada em design de moda e empreendedora, atualmente empreende, ao lado do irmão, na Rampa (@lojarampa). Têm dois focos: contratar os serviços das pessoas do bairro onde vivem e serem transformadores sociais. O objetivo de Juliana é crescer, ter a própria confecção e em determinado dia da semana ceder o espaço para a comunidade local com cursos de modelagem, administração, empreendendorismo, entre outros temas que envolvem um negócio de moda.

A Criativa, Ludmyla Oliveira: administradora e consultora financeira, quer oferecer educação financeira como ferramenta de transformação social e busca aproximar o assunto dinheiro ao dia a dia de mulheres periféricas, introduzindo novos conhecimentos e conversando sobre a importância dele para a construção do futuro de suas famílias.

Projeto social Visão e Foco, Lucineide: atua como agente da visão levando acesso para todas as pessoas que precisam de correção visual, com óculos de qualidade e baixo custo. Orienta, conscientiza e se relaciona com as pessoas que não possuem condições ou que moram em áreas de vulnerabilidade social.

Natú petiscos e refeições vegetarianas, Talita: tem um delivery de comida vegana/vegetariana. Procura trazer uma forma mais atrativa de conhecer a alimentação sem ingredientes de origem animal.

Centro de Convivência Acolher, Rosane Machado: deseja atender a População idosa de sua comunidade através de um Centro de Convivência  com atividades de integração social.

O programa GE Formando Líderes acontece até o final do mês de novembro de 2021 e, para conhecer os 35 projetos participantes, acesse http://www.portosocial.com.br.

 

Sobre o Porto Social

Parte da Rede Muda Mundo, o Porto Social é um centro de soluções para impacto social positivo com a missão de contribuir para a criação de políticas públicas mais justas, iniciativas privadas mais responsáveis e conscientes e organizações da sociedade civil mais qualificadas. Com atuação presencial em Recife (PE) e online por meio da plataforma “PortALL”, esse centro de soluções para impacto social conecta primeiro, segundo e terceiro setor, criando soluções inovadoras que colocam o cidadão como parte ativa e de extrema importância para que as reais mudanças aconteçam. http://www.portosocial.com.br/

 

Mais informações para imprensa:

Casé Comunica

www.casecomunica.com.br

Redes Sociais: @casecomunica

Mariana Marques – mariana@casecomunica.com.br

Rafael Serato – rafael@casecomunica.com.br Mais informações para imprensa:

Casé Comunica
www.casecomunica.com.br
Redes Sociais: @casecomunica
Neila Costa – neila@casecomunica.com.br

Pesquisa IRME revela que empreender ajudou 48% das empreendedoras a saírem de relações abusivas

O Instituto Rede Mulher Empreendedora (IRME) revela que 34% das mulheres ouvidas em sua pesquisa anual sofreram algum tipo de agressão em relações conjugais. O estudo também aponta que, ao empreender, 48% delas conseguiram sair desses relacionamentos abusivos e até violentos.

Esse número faz parte da 6ª edição da Pesquisa anual elaborada pelo Instituto e Rede Mulher Empreendedora, primeira e maior rede de apoio a empreendedoras do Brasil, em parceria com o Instituto Locomotiva, que aborda temas do universo empreendedor feminino e traz ainda perspectivas sobre o perfil dessas mulheres e a relação com seus negócios.

Segundo Ana Fontes, fundadora e presidente da Rede e do Instituto Rede Mulher Empreendedora, a pesquisa confirma o sentimento evidente das mulheres que empreendem.

“De forma geral, as mulheres se sentem mais independentes, confiantes e seguras quando têm uma geração de renda própria, permitindo que ela mude sua condição dentro de relacionamentos abusivos”, comenta Ana.

Essa afirmação também é sugerida entre os dados coletados pela pesquisa, pois 81% das mulheres consultadas concordam que empreendedoras têm mais autonomia na vida, e por isso são mais independentes em suas relações conjugais.

Finanças e falta de acesso a crédito

Mesmo com essa autoconfiança e independência, Ana Fontes conta que as principais dificuldades citadas pelas empreendedoras são: a venda dos produtos e serviços; e o acesso a recursos financeiros e crédito.

Segundo relatório recente da Global Entrepreneurship Monitor (GEM) 2020, no ano passado o Brasil bateu recorde de novos negócios e as mulheres são o segundo maior grupo em crescente neste cenário.

A pesquisa IRME revela também que 72% das mulheres empreendedoras avaliam que são totalmente ou parcialmente independentes financeiramente. “Mesmo com autonomia e independência financeira, as mulheres ainda têm dificuldade em conseguir acesso a crédito. 47% das empreendedoras que participaram da pesquisa e que solicitaram crédito, tiveram seus pedidos negados. Essa conta não fecha, não é mesmo?”, explica Ana.

Pandemia e digitalização

Outro movimento que expôs a potência do empreendedorismo feminino foi o desemprego e a falta de renda gerada pela pandemia. De acordo com a Pesquisa IRME, 26% das mulheres consultadas iniciaram seu negócio atual durante a pandemia.

E é impossível pensar em cenário pandêmico, com fases de quarentenas, restrições, incertezas, sem contextualizar o impacto da transformação digital na vida da empreendedora.

Neide Alves, de São Paulo, é um exemplo desses de empreendedora que tinha um negócio e estava desanimada com a pandemia. Aos poucos ela foi deixando tudo de lado e outras pessoas passaram a cuidar dele, até que sua filha a inscreveu no programa RME Digitaliza e durante as mentorias o desânimo foi sendo superado. Hoje ela já retomou o controle do seu próprio negócio, está dedicada e quer expandir mais ainda através do digital. Isso ajudou até mesmo a família que estava ficando sobrecarregada.

Segundo a pesquisa IRME, para 62% das mulheres que empreendem o impacto da digitalização foi positivo para o negócio. Mas, 54% das empreendedoras constatam que a pandemia traz menos oportunidades de crescimento.

Para além do negócio, a pandemia afetou diretamente o dia a dia dessas mulheres. E a pesquisa aborda que mais de 50% das empreendedoras com filhos alegaram que o fechamento das escolas impactou a rotina de trabalho, principalmente para as mães com filhos de 3 a 11 anos.

Sobre digitalização, os aplicativos de mensagens e redes sociais são as ferramentas digitais mais utilizadas pelas empreendedoras em seus negócios. Houve crescimento no uso de sites próprios e de vendas durante a pandemia e mais da metade das empreendedoras utilizam plataformas de e-commerce, site/blog próprio, redes sociais e aplicativos de mensagens para gestão, divulgação e como ferramenta de vendas.

Ferramentas digitais mais utilizadas pelas mulheres empreendedoras:

  • Aplicativos de mensagem 89%
  • Redes sociais 83%
  • Site ou blog próprio 67%
  • e-commerce ou marketplace 55%

Ou seja, 9 em cada 10 empreendedoras utilizam aplicativos de mensagens para o negócio, principalmente para divulgar produtos e atender clientes. E 40% começou ou passou a utilizar esses recursos mais na pandemia.

“A digitalização tem forte impacto na percepção sobre o futuro do negócio. As empreendedoras não digitalizadas têm menor expectativa de crescimento no faturamento e quanto maior a digitalização dos negócios, maior é a confiança e o otimismo das empreendedoras”, afirma Ana Fontes.

Círculo virtuoso da empreendedora

Empreendedoras geram ciclos de melhoria e reinvestimento não só no próprio negócio, ou na família, mas também em suas comunidades e no apoio a outras mulheres. Ana Fontes chama esse processo de círculo virtuoso da empreendedora.

“A mulher quando melhora suas condições, principalmente financeira, investe mais na educação dos filhos, apoia sua comunidade, assiste seus familiares. Além disso, a mulher contrata outras mulheres que vão reagir a essa melhora da mesma forma, potencializando mais pessoas. Temos diversos exemplos na Rede, como a Daianny Reis em Macapá (AP), que tem uma marca de semijoias e trabalha com um grupo de mulheres revendedoras”, comenta Ana.

A Pesquisa IRME aborda este cenário mostrando que entre as empreendedoras que possuem sociedade, 7 em cada 10 possuem sócias mulheres. E 73% dos empreendimentos liderados por mulheres são majoritariamente femininos, contra apenas 21% dos empreendimentos liderados por homens.

Para Ana Fontes, quanto mais incentivo e apoio, mais essas empreendedoras conseguem planejar e se estruturar, estudando e compartilhando suas experiências. “45% das mulheres ouvidas em nossa pesquisa já realizaram algum curso ou formação para empreendedores e 67% planejam realizar nos próximos 12 meses”, completa a presidente do IRME.

Desafios das empreendedoras

A análise feita pelo Instituto Locomotiva junto ao IRME aponta ainda um cenário cheio de desafios para as empreendedoras.

A Pesquisa IRME indica que 79% das empreendedoras acreditam que os cuidados com a casa e a família atrapalham mais as mulheres do que os homens que buscam empreender. “Muitas mulheres ainda não têm apoio e reconhecimento de que seus negócios, ainda que pequenos, fazem parte de um ecossistema potente e que gera muita riqueza”, comenta Ana.

Instituto Rede Mulher Empreendedora

https://institutorme.org.br/

Rede Mulher Empreendedora

https://rme.net.br/

Sobre o Instituto RME

O Instituto RME, criado em 2017, é o braço social da Rede Mulher Empreendedora – RME e está apoiado em valores como igualdade de gênero, oportunidade para todos, educação, capacitação acessível e colaboração social. O foco é capacitar mulheres em situação de vulnerabilidade social em todo o Brasil e ajudá-las a conseguir autonomia sobre suas vidas e seus negócios.

Sobre a Rede Mulher Empreendedora

Primeira e maior rede de apoio a empreendedoras do Brasil, a Rede Mulher Empreendedora – RME existe desde 2010 e já impactou mais de 750 mil pessoas. Criada pela empreendedora social, Ana Fontes, tem como objetivo apoiar as mulheres na busca por autonomia econômica e geração de renda, por meio de capacitações, conteúdo qualificado, conexões, mentorias, acesso ao mercado através de marketplace, programas de aceleração e acesso a capital.

A RME promove eventos anuais como a Casa das Empreendedoras e o Fórum Empreendedoras; eventos mensais como Café com Empreendedoras e Mentorias; também conta com um programa de aceleração, o RME Acelera, cursos intensivos para quem quer empreender, trilhas de conhecimento online e o programa RME Conecta, que faz a ponte entre negócios de mulheres com grandes empresas para negociação e fornecimento B2B. Além disso, conta com um marketplace com 1691 empresas cadastradas. Em 2017, Ana Fontes resolveu ampliar seus objetivos e criou o Instituto Rede Mulher Empreendedora, focado na capacitação de mulheres em situação de vulnerabilidade.

Mais informações para imprensa:
Casé Comunica
www.casecomunica.com.br
Redes Sociais: @casecomunica
fabiana@casecomunica.com.br
mariana@casecomunica.com.br
nadja@casecomunica.com.br